segunda-feira, 23 de fevereiro de 2009

Desvios

Não sei o que pensa este governo, mas certamente que todos os Portugueses são iletrados e completamente estupidos.

Será que acreditam que as pessoas se vão iludir com os desvios que têm tentado impor na agenda política do pais?

Ninguém deixa de ver o mau estado do país simplesmente porque o governo lançou para a praça publica o polémico tema dos casamentos homosexuais.

Todos continuamos atentos às trapalhadas governativas e ao desenrolar do caso freeport.

quarta-feira, 18 de fevereiro de 2009

sábado, 14 de fevereiro de 2009

Pandora...

Nunca fomos de trocar presentes neste dia, nem quando eramos namorados, mas hoje, casados e com um rebento lindo em casa, heis pois que recebo uma carrada de corações.

 

image

quinta-feira, 12 de fevereiro de 2009

A ultima aquisição da...

...colecção de namoradas de Ronaldo... Olivia Saunders

Será que a sua mãezinha vai meter o nariz neste namoro também?!?!?

image

Lá que a menina é gira é... e novinha também,

mais de acordo com a idade do craque...

Espero que desta acerte sem ninguém meter o bedelho!!!

quarta-feira, 11 de fevereiro de 2009

Zangam-se as comadres...

imageA ideia que a maioria das pessoas tinha sobre o nosso Primeiríssimo e a sua familia, não era nem de perto nem de longe a que hoje se revela na imprensa nacional.

Ser um trabalhador honesto e com dificuldades, não é vergonha nenhuma, é mesmo a condição da maioria dos portugueses, feio é a malta que se põe em biquinhos dos pés, para atirar areia aos olhos dos outros.

Não vejo qual a utilidade de querer mostrar que se pertence a uma condição social diferente da sua realidade. Em termos políticos até é mais proveitoso ser um pobre em ascenção, olhemos para o Obama.

Quem constroi a sua vida na mentira, sim mentira pois até à bem pouco tempo o seu irmão deu uma entrevista à TVI em que se regozijava pela riqueza histórica da familia, terá algum dia na sua vida de passar por situações constrangedoras e dificeis.

Mas quem constroi a sua vida na mentira, é um valente mentiroso e dizer que se é o que não se é só trás disabores merecidos, contingências do ser e do parecer.

terça-feira, 10 de fevereiro de 2009

"E o burro sou eu..."

Largou a selecção à procura de um contrato milionário, deixou uma equipa esfrangalhada, sem rei nem roque, e passado nem 8 meses, foi corrido sem pesar, afinal o Presidente do Chelsea quer ver resultados e não falinhas mansas, sem falar no mau relacionamento com os jogadores.

Aquilo que fazia bem nas selecções brasileira e portuguesa, o segurar do balneario, correu muito mal no Chelsea. É que isto de ser selecionador nacional é muito diferente de ser treinador a tempo inteiro.

Não venha agora pedir batatinhas, afinal quem arisca no jogo do mata-mata, pode mesmo morrer.

Auf Wiedersehen!!!

terça-feira, 3 de fevereiro de 2009

"A CABALA EXPLICADA ÀS CRIANCINHAS"

Um artigo de João Miguel Tavares, publicado hoje no DN Online, que vale muito a pena ler.

 

"Ah, como eu teria ficado mais feliz se José Sócrates, em vez de clamar contra os "poderes ocultos", tivesse dito que desocultava as suas contas bancárias. Era tão fácil. Estou a imaginá-lo a aproximar-se do microfone, na sua última conferência de imprensa, e em vez de falar em "insídias" e "ignomínias", dizer simplesmente: "Portugueses, nada tenho a esconder. Abdico voluntariamente do meu sigilo bancário. As minhas contas estão à disposição da Polícia Judiciária e do Ministério Público." Era tão fácil, não era?
Mas não. Sócrates preferiu deitar mão ao velho discurso da cabala, como se fosse um treinador de futebol no rescaldo de um jogo com arbitragem desfavorável. E não contente, despachou para as televisões os ministros que por ele nutrem a mais platónica das paixões, para sessões de gritinhos histéricos em directo, perorando enviesadamente sobre a ZPE e fazendo os portugueses passar por parvos, como se não existissem dúvidas inteiramente legítimas neste caso. Augusto Santos Silva e Pedro Silva Pereira não são o Bobby e o Tareco de José Sócrates. São dois ministros do Estado português. Convinha que se comportassem como tal.
Só que, infelizmente, no meio desta triste história, não há uma alminha sobre a qual possamos dizer "ora aqui está, este pelo menos agiu bem". De uma ponta à outra, a imoralidade atravessa todas as instituições que deviam sustentar o Estado em que vivemos. A reacção de Sócrates foi inaceitável. O comunicado da Procuradoria foi inacreditável, e mais parecia ter sido escrito por um assessor do primeiro-ministro no intervalo de um Portugal-Inglaterra, conseguindo o prodígio de ser desmentido pelas notícias do dia seguinte. E o que dizer da entrevista da procuradora Cândida Almeida, onde ela quebrou mais do que uma vez o segredo de justiça (por exemplo, na história do suspeito que não é muito suspeito mas apenas um bocadinho suspeito), ao mesmo tempo que informava ir abrir um inquérito sobre quebras do segredo de justiça? Seria hilariante, se não fosse tão triste.
Alguém, por amor de Deus, que tome a iniciativa de repensar o sistema de justiça de cima a baixo, que isto está a tomar dimensões insustentáveis. O que se passou está à vista de todos: após as chatices de 2004, a investigação entrou alegremente em banho-maria até os ingleses virem melgar com aquela carta rogatória, que colocou a polícia e o Ministério Público em cheque. Vai daí, aplicou-se uma velha técnica: isto é muito aborrecido de tratar, o mais provável é não haver provas suficientes para incriminar, porque é que não deixamos a comunicação social tratar disso? Assim foi. E assim vai continuar a ser. Até o País bater no fundo."

segunda-feira, 2 de fevereiro de 2009

E eu que não estive lá

Foi o pior dos últimos 18 anos, 15 cm de altura, corte de trânsito rodoviário, fecho temporário de escolas, Gatwick e Heathrow fechados, pedidos das autoridades para que os cidadãos ficassem em casa, e eu não estive lá... não pude assistir à queda forte da neve pela janela do Hilton... snif, snif... o que eu gostava de lá ter estado, mas no quentinho, com o meu mais-que-tudo e o meu niquinho.

 

designed by Charming Templates