25 de dezembro de 2011

Um mês depois

dezembro 25, 2011 0 Comments
Um mês depois da triste noticia e não quero acreditar que a minha última e mais querida avó já não está presente nos nosso dias, na nossa vida.

Tudo foi tão rápido, tudo foi tão evasivo, que me custa a acreditar que não a tenho ao pé de mim, que já não a posso abraçar.

São sentimentos tão tristes, são saudades e lágrimas que correm sem quem consiga parar-las. Eu também não quero que elas parem, não quero esquecer nunca a velhota da minha infância, a minha avó mais querida, mais doce e amiga.