16 de maio de 2011

Juiz absolve Psiquiatra, afinal a violação não foi violenta!

Queria ter falado nesta noticia na sexta-feira, mas parece que o blogger estava em baixo, com problemas de memória e tráfego em demasia.

Acontece que apesar de deslocada no tempo, não posso deixar de considerar, o caso do Psiquiatra João Villas Boas, absolvido pelo tribunal da relação do porto, pois o crime de violação que cometeu contra uma paciente sua grávida, não foi suficientemente violento para ser condenado.
Se abusar de uma paciente fragilizada, grávida de 34 semanas, não é um crime violento, então estamos num Portugal podre cheio de gente que não presta.

"O psiquiatra, quando esta tentava fugir, agarrou-a, virou-a de costas, emprurrou-a na direcção do sofá, fazendo-a debruçar-se sobre o mesmo, baixou-lhe as calças e introduziu o pénis na vagina, até ejacular."  mas claro a paciente só tentou fugir e como não gritou, as suas acções não revelam que não afinal não estava em concordância com a violação.

É mais que nojento, como é que um colectivo de juízes, considera que "a acção física do arguido não constitui um acto de violência que atente gravemente contra a liberdade da vontade da ofendida" por amor de Deus, a Sra. estava grávida e mais ainda fragilizada psicologicamente, por isso procurou ajuda profissional.

Leiam a noticia e depois perguntem-se como eu, "como é que nenhum dos envolvidos, juiz e acusado, ainda não acabou com um balásio nos cornos"

Sem comentários: